URGENTE:Deputados argentinos aprovam a legalização do aborto - Atualidades

URGENTE:Deputados argentinos aprovam a legalização do aborto









A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou hoje (14) por 129 votos a favor, 125 contra e 1 abstenção o projeto de lei que descriminaliza o aborto, em uma sessão histórica que durou cerca de 22 horas e meia. 
De acordo com o projeto, o aborto poderá ser feito até 14 semanas de gestação. Depois deste prazo, a interrupção da gravidez só poderá ser realizada em casos de estupro, se representar um risco para a vida e a saúde da mãe e também se o feto tiver alguma malformação “incompatível com a vida extrauterina”.
A votação terminou com aplausos dos deputados que defendiam a interrupção voluntária da gravidez. 
O texto segue agora para o Senado. 

Lado de fora

Terminada a votação, do lado de fora do Congresso, mulheres, em sua maioria jovens, se abraçaram e choraram com o resultado.
Marita Perez conta que passou a noite inteira dormindo com três amigas em uma barraca e disse que não esperava a aprovação. “Até o último momento achava que não íamos conseguir”, disse a jovem. Segundo ela, as manifestações vão continuar. “O desafio agora é convencer os senadores que são mais conservadores a votar pela descriminalização do aborto”, completou.

Madrugada fria

Milhares de argentinos viraram a noite na praça em frente ao Congresso, para acompanhar a votação, na Câmara dos Deputados. Todos estavam preparados para enfrentar o frio de 5 graus: fizeram fogueiras, montaram barracas e dançaram, ao som de tambores, pedindo aos legisladores o direito a um “aborto livre, gratuito e seguro”.

A sessão começou ontem (13) e, até o fim da noite, havia um empate entre os deputados que discursaram a favor e contra a legalização do aborto. Do lado de fora do Congresso, ativistas dos dois lados ocupavam a praça e defendiam sua posição


Aborto, obra-prima do demônio: ele viola todos os mandamento


De forma direta ou indireta, todos os mandamentos da lei de Deus são massacrados pela prática do aborto

aborto não é somente um mal social: é também uma negação espiritual do plano de Deus para a felicidade e o bem-estar do ser humano. Quando Deus diz "Sim!" à vida e à fertilidade, o demônio grita um rotundo "Não!".

O poder espiritual do aborto consiste em sua perfeita violação de todos os mandamentos de Deus:

1 – Amar a Deus sobre todas as coisas.
2 – Não tomar seu santo nome em vão.
3 – Guardar domingos e festas de preceito
4 – Honrar pai e mãe
5 – Não matar
6 – Não pecar contra a castidade
7 – Não roubar
8 – Não levantar falso testemunho
9 – Não desejar a mulher do próximo
10 – Não cobiçar as coisas alheias

Veja como isso acontece:

6º e 9º mandamentos
Em primeiro lugar, muitos abortos são pecados contra estes mandamentos, porque foram fruto de adultério, fornicação e luxúria.

5º mandamento
Certamente, o aborto é um pecado contra o 5º mandamento, que proíbe o homicídio.

3º mandamento
Da mesma maneira, viola também o 3º mandamento, porque muitos dos bebês morrem aos finais de semana, dias de maior atividade comercial das clínicas de aborto, indo contra o dia do Senhor.

2º e 4º mandamentos
O aborto é o "outro lado da moeda" do 4º mandamento, pois os pais desonram o filho, maldizem a santidade de Deus em seu segundo mandamento, que se manifesta na pequena criatura, feita à sua imagem e semelhança.

1º mandamento
Por ser uma falsa "religião" ou crença, o aborto constitui uma violação do 1º mandamento, que proíbe a veneração de qualquer deidade fora de Deus.

8º mandamento
Esta "religião" se sustenta à base de um sistema altamente sofisticado de falsos testemunhos e enganos, que levam a mulher a acudir à clínica de abortos.

7º mandamento
Mais ainda, o aborto rouba nossas vidas, nossas esperanças para o futuro, alicerçado em nossos bebês, rejeitando, assim o 7º mandamento.
Um exemplo claro disso é o caso dos Estados Unidos, onde a presença de 40 milhões de imigrantes hispanos preenche o vazio deixado pela destruição de 47 milhões de bebês abortados desde a decisão judicial a favor do aborto, "Roe versus Wade", de 22 de janeiro de 1973.

10º mandamento
Finalmente, o mandamento que proíbe cobiçar as coisas alheias fala do pecado da avareza, que é precisamente o que motiva as clínicas de aborto. É comum ouvir que os próprios médicos não gostam do aborto, mas o fazem para ganhar dinheiro.

O aborto é como um grande turbilhão espiritual que puxa as pessoas para o interior de si mesmo, e até os membros da Igreja podem se ver afetados por ele. A maioria dos pecados enumerados são pecados de omissão.

Os pecados da Igreja com relação ao aborto podem ser vistos no silêncio dos padres sobre este tema; nos líderes políticos "católicos" hereges que apoiam o aborto; na fácil justificação do aborto por educadores "católicos"; na falta de verticalidade moral das equipes médicas "católicas" quanto aos anticoncepcionais abortivos e às esterilizações. E a lista é grande.

Tudo o que foi comentado anteriormente tem o objetivo de informar que o aborto é uma força espiritual que rejeita o plano de Deus para o amor, a vida e a família. O aborto não destrói somente os corpos, mas também as almas, e isso, levando em consideração a eternidade que nos aguarda, é a grande obra-prima do demônio.
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.