Filhos de Bolsonaro se filiam em partido comandado por filho de Edir Macedo - Atualidades

Filhos de Bolsonaro se filiam em partido comandado por filho de Edir Macedo



O senador Flávio Bolsonaro e o irmão dele, o vereador pelo Rio de JaneiroCarlos Bolsonaro, se filiaram esta semana ao Republicanos (antigo PRB), partido ligado ao bispo Edir Macedo, dono da Igreja Universal do Reino de Deus e do grupo de comunicação da Record. A mãe deles, Rogéria, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro, também foi para a legenda. O desembarque de parte da família na sigla, ocupada em sua maioria por evangélicos, praticamente sela o apoio do clã ao prefeito Marcelo Crivella, bispo licenciado da Universal e que tentará a reeleição.

Flávio, o filho Zero Um, havia deixado o PSL depois da briga do pai com o presidente nacional da sigla, Luciano Bivar. No caso do senador, como o cargo é considerado majoritário, ele não corre o risco de perder o mandato. Carlos, o Zero Dois, por sua vez, estava no PSC, chefiado pelo pastor Everaldo Pereira e que, atualmente, abriga o governador do Rio, Wilson Witzel, inimigo político de Jair Bolsonaro. O vereador aproveitou a janela partidária.

Carlos está no quinto mandato e disputará a reeleição. Rogéria também concorrerá a uma cadeira na Câmara Municipal do Rio. Ela já havia sido eleita vereadora em 1992 e 1996. Em 2000, Rogéria perdeu a eleição, mas Carlos conseguiu a vaga pela primeira vez quando tinha 17 anos. Apenas Eduardo, o filho Zero Três e deputado federal por São Paulo, continua no PSL. Como não foi expulso, ele é obrigado a permanecer no partido para não ficar sem o cargo conforme estabelece a Lei Eleitoral.
A ida de Flávio, Carlos e Rogéria para o Republicanos ocorreu porque o Aliança pelo Brasil, partido de Jair Bolsonaro, não será legalizado a tempo das eleições municipais deste ano. Nesta última quinta-feira, o presidente editou um decreto liberando as igrejas da quarentena do Covid-19. Antes, os templos de todas as religiões deveriam ficar fechados para evitar aglomerações. Em setembro do ano passado, Bolsonaro recebeu unção de Edir Macedo em um culto no Templo de Salomão, da Igreja Universal, na região central da capital paulista.

A mudança de partido dos filhos de Bolsonaro reforça a pré-campanha de Marcelo Crivella, que sempre sonhou em fazer uma aliança formal com o presidente da República. Bolsonaro, porém, só deverá pedir votos para o prefeito publicamente no segundo turno. Apesar da euforia no grupo do prefeito com as novas filiações no Republicanos, alguns aliados têm cautela ao falar na aproximação do clã após a postura e o desgaste de Bolsonaro diante da pandemia do coronavírus.
“O medo é que, em caso do Crivella ir para o segundo turno, os eleitores votem contra o candidato do presidente. Não sabemos como a imagem do Bolsonaro ficará depois dessa crise toda”, observa um deles.
Bolsonarista e ex-líder do PSL na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o deputado estadual Dr. Serginho discorda. “O Republicanos é de direita e prioriza os valores cristãos. Além disso, não vejo como a família prejudicar (o Crivella). Eles ainda têm muita força política”, afirmou.

Ao todo, na Alerj, o PSL contava com 12 deputados eleitos, em 2018, na chamada “Onda Bolsonaro”. Todos utilizaram o nome do então candidato à Presidência para vencer a eleição. Com a saída de Bolsonaro do partido, nove continuaram. Cinco se aliaram ao governador Wilson Witzel e apenas quatro permanecem ao lado do presidente. Três foram expulsos – um deles é Dr. Serginho e dois (Coronel Salema e Renato Zaca) estão sem partidos

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.