Pastor contaminado pede “sabedoria” e alerta: “Coronavírus não faz acepção de pessoas” - Atualidades

Pastor contaminado pede “sabedoria” e alerta: “Coronavírus não faz acepção de pessoas”



Um pastor que foi infectado pelo coronavírus juntamente com sua esposa e outros 30 fiéis da igreja que dirige, recentemente emitiu um alerta para que as pessoas não subestimem a periculosidade do vírus e se comportem com “sabedoria e restrição”.


“Havia muito pouco em meu treinamento para o ministério que abordasse toda a dificuldade com o que nossa família da igreja lidou nas últimas semanas”, disse o pastor Mark Palenske, da Primeira Assembleia de Deus em Greers Ferry, no condado de Cleburne, Arkansas (EUA).

Seu comunicado, publicado no Facebook, fez um apelo: “A intensidade desse vírus foi subestimada por muitos, e continuo pedindo que cada um de vocês leve isso muito a sério. Um ato de sabedoria e restrição de sua parte pode ser a bênção que preserva a saúde de outra pessoa”, enfatizou.

O portal The Arkansas Democrata Gazette conversou com um diácono da igreja, Donald Shipp, e apurou que pelo menos 34 pessoas ligadas à igreja testaram positivo para o vírus, enquanto vários outros ainda aguardam resultados. Todos eles participaram de um evento infantil realizado na igreja de 5 a 8 de março, que está sendo considerado o ponto de contaminação na congregação.
Daqueles que deram positivo para o vírus, 31 estão na equipe da igreja ou são membros, disse Donald Shipp. Os outros são dois evangelistas que lideraram o evento infantil e uma criança que estava visitando.


Na última terça-feira, 24 de março, o Arkansas tinha 218 casos confirmados do novo coronavírus. O estado também confirmou que um homem de 91 anos infectado com a doença se tornou a primeira vítima fatal.
O pastor Mark reiterou que o vírus é “altamente contagioso” e sua esposa ficou tão doente que precisou ser hospitalizada junto com vários outros membros de sua igreja: “Antes de tudo, não podemos identificar de onde o vírus veio. Mesmo sendo os pontos positivos originais, há pessoas que estão doentes há mais tempo do que nós. Claramente, passou por um fim de semana especial do ministério infantil em nossa igreja. Mesmo antes do retorno dos resultados positivos, já tínhamos seguido orientação médica e cancelado cultos”, afirmou.
“Estávamos convencidos de que, fosse o COVID-19 ou outro vírus, assumimos que ninguém queria o que estávamos enfrentando e procuramos nos limitar. Preciso que você saiba que não viajamos para fora do estado do Arkansas. Este vírus é altamente contagioso e não faz acepção de pessoas”, ponderou.
Em outro trecho, o pastor compartilhou suas preocupações mais a fundo: “A vítima é escolhida aleatoriamente, por isso é melhor permanecer muito vigilante nos protocolos de higiene da melhor maneira possível. Eu pediria que você passasse algum tempo em oração por nossa equipe médica. Eles estão lidando com problemas de hora em hora. As mudanças e os planos de ontem obviamente não são adequados para as circunstâncias. Eles estão se esforçando ao máximo e somos gratos à sua dedicação e serviço compassivo”.
Mark contou ainda que ele e sua igreja tiveram acesso aos testes para o coronavírus graças a um médico local que tinha “um número muito pequeno de testes” à disposição. “Nossos sintomas começaram com uma dor de cabeça seguida de intensas dores no corpo e letargia. Além disso, tivemos que lidar com ondas de calafrios, sudorese e náusea. Dena teve uma manhã muito assustadora, alguns dias atrás, que incluiu uma convulsão e exigiu hospitalização. […] Ela está muito melhor e nós dois estamos de volta à nossa casa”.
Ele observou ainda que uma das principais coisas que levaram em conta na recuperação deles foi manter-se hidratado: “Parece tão simples, mas é preciso muito foco ao lidar com os sintomas acima. O tylenol tem sido um grande amigo durante tudo isso e os médicos desaconselharam o ibuprofeno ou o Motrin”, acrescentou o pastor, relatando a orientação recebida antes de a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirar a restrição sobre o ibuprofeno para casos de coronavírus.
O distanciamento social, segundo o pastor, é uma ferramenta essencial: “Eu adoraria que você levasse essa ameaça médica mais a sério. Talvez você tenha assumido que isso não poderia acontecer com você, como eu fiz. Siga as instruções sociais que você está recebendo local e nacionalmente. Devemos manter a população afetada no menor número possível. Nosso ato singular de independência obstinada pode ter efeitos de longo alcance na vida de outra pessoa ”, disse ele.

“O respeito e a compaixão pelas pessoas ao nosso redor devem dominar nossa autodisciplina”, finalizou o pastor, levando em conta que o número oficial de infectados pelo novo coronavírus no país superou 54 mil casos confirmados, com mais de 700 mortes

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Footer

Tecnologia do Blogger.